quinta-feira, 11 de setembro de 2014

Ladainha para um imigrante clandestino

Sistema de deteção por raio-x 
instalado nas fronteiras ocidentais.
A consciência tranquila da Europa...
Um grande negócio para as máfias
 que lucram com o medo e a fome dos outros...


Quase ninguém diz
Que te viu na fronteira
Com raio-x…

Não te vejo
Diluis-te nas ruas
por onde passo
trabalho invisível
salário escasso
Não te vejo
No escritório
alcatifa limpa
e lavatório
Não te vejo
Ao almoço
mexendo o tacho
segurando o moço
Não te vejo
Na construção
do edifício
assentando tijolo
no precipício
Não te vejo
Escoando o esgoto
negro ofício
todo roto
Não te vejo
Quando uso
 teu corpo
e pago pouco
o meu desejo
Não te vejo
Na cidade
levando molhos
de publicidade
Não te vejo
Quando beijo
meus filhos
bem tratados
ao longo do dia
com mil cuidados

Não ficaste na fronteira…
De qualquer maneira:
não te vejo

Sem comentários:

Enviar um comentário