quarta-feira, 26 de abril de 2017

Elos na Beira Alta

Na escola de Vale de Madeiros
Regressar a Canas de Senhorim e Nelas é sempre um prazer. Acabo sempre por rever amigos e paisagens, usufruindo da habitual hospitalidade beirã. Fiquei muito bem instalado no pombal das Casas do Visconde, retemperando energias. Desta vez, respondi ao convite para participar nos "Elos de leitura", iniciativa da Biblioteca Municipal de Nelas. Para além de ter apresentado o meu livro “Rimas salgadas”, conduzi a oficina “Recolectores de Palavras” pelas ruas de Nelas e de Canas. Mas a minha primeira paragem, neste breve circuito, foi na Escola Básica de Vale de Madeiros onde voltei a estar com os meus leitores. Como cresceram… foi uma sessão um pouco disparatada mas que nos soube a todos muito bem. 
 Nelas: perguntado ao Sr. Américo qual era a sua palavra favorita
 Encontrámos "honestidade" nas paredes de Nelas
 Nelas
Construindo o poema em torno de uma mesa (coletivo)
No dia seguinte pela manhã, andámos pelas ruas da cidade de Nelas em busca de palavras para construir um poema coletivo na Universidade da Terceira Idade. Eramos muitos, cerca de 80, mais velhos e mais novos, perguntando a quem passava pela sua palavra mais querida (palavra favorita) e recolhendo outras pelas paredes, pelo chão ou em jornais esquecidos. Em Canas de Senhorim a tarde foi muito animada, tendo o grupo atingido plenamente os seus objetivos – ficámos todos contentes! O encontro da manhã de 21 de abril na EB 2.3 de Nelas, na sua Biblioteca escolar, foi o mais forte e mais participado deste périplo. Seguindo o mote da Liberdade, foram surgindo questões cada vez mais profundas, algumas difíceis, mas todas encontraram a sua resposta naquela casa das palavras. De tarde estive numa outra biblioteca escolar, a de Canas de Senhorim; perante uma assistência pasmada, apresentei a minha obra, mostrando também alguns originais do meu livro. Depois foi tempo de fazer as malas e descer do planalto beirão em direção a Torres Vedras, onde me esperava uma sessão de contos com o meu companheiro narrador Luís Carmelo.

Sem comentários:

Enviar um comentário