domingo, 14 de maio de 2017

Olhinho em ti

A pera e a maçã foram feitas pela criança...
Hoje venho falar-vos de uma ferramenta muito simples e barata que também uso na promoção do jogo simbólico (faz de conta): os olhinhos de plástico que se compram em bazares chineses ou em papelarias. Os olhinhos colam-se a qualquer objeto atribuindo-lhe, imediatamente, uma personalidade, convidando à criação de diálogos. Um marcador grosso (do género Sakura ou Edding 3000) servirá para fazer boca e nariz (também pode ser feito com com autocolantes coloridos); é bom que se proponha à criança que colabore na construção da personagem. Aproveitamos a ocasião para estabelecer um diálogo animado que aos poucos vai acrescentando conhecimentos no contexto da brincadeira: “Ó Dona laranja, como é saborosa! Posso fazer um sumo consigo?” Diz a banana à laranja(...) Poderemos ir ampliando o universo da proposta com intertextualidades, basta ter uma biblioteca por perto que tenha o livro “A surpresa de Handa” (saber mais sobre este livro) ou outro que venha mesmo no seguimento. E de repente, passámos a conhecer outras frutas, outros animais, um diálogo entre crianças, o mundo… Quem sabe a atividade não termina com uma salada de frutas… Esta pequena nota serve também para relembrar a importância de pensar articuladamente, numa relação direta com as experiências diretas do meio, de preferência com um projeto bem estruturado.

1 comentário:

  1. O que é simples parece fácil. Que bom! E no entanto, do saber que se incorpora ao gesto depende o impacto da ferramenta. Uma boa ideia, uma bela ideia - ou duas, pelo menos, se forem olhos humanos :)

    ResponderEliminar